Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Região Metropolitana recebe primeiro parque eólico com investimento de R$ 330 milhões

Publicação:

Para a construção e a implantação de três parques foram investidos R$ 330 milhões
Para a construção e a implantação de três parques foram investidos R$ 330 milhões - Foto: Divulgação SDECT

Com geração de energia suficiente para o consumo de 140 mil residências, abastecendo cerca de 320 mil pessoas, o Complexo Eólico Pontal, localizado no distrito de Águas Claras, em Viamão, na Região Metropolitana, foi inaugurado nesta sexta-feira (11). Para a construção e a implantação de três parques foram investidos R$ 330 milhões. O governador José Ivo Sartori e o secretário de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior, participaram da cerimônia.

O parque, que teve o apoio do governo do Estado, BNDES e Badesul, conta com 25 aerogeradores, totalizando 59,8 megawatts de potência instalada. A expectativa da Enerplan é chegar a cinco parques, atingindo um investimento na ordem de R$ 600 milhões, propiciando geração de emprego e renda e distribuição de energia limpa.

"O Complexo Eólico do Pontal simboliza uma mudança de realidade para a região e um novo momento na geração de energia no Rio Grande do Sul e no Brasil", afirmou o governador. Sartori disse que essa é uma grande vitória para o estado e para os empreendedores. Também lembrou que o país ocupa a nona colocação no ranking mundial de capacidade instalada de energia eólica.

Segundo Irineu Boff, presidente do Grupo Oleoplan, holding da operação da Enerplan, o projeto do complexo começou em 2011 e "traz riqueza e desenvolvimento para o Rio Grande do Sul". Boff salientou que os parques vão gerar energia limpa, renovável e sustentável, que "era desperdiçada e vai se transformar em dinheiro para o estado e o município".

O secretário de Minas e Energia defendeu o potencial do Rio Grande do Sul para geração de energia eólica. "O estado é privilegiado não só na questão do vento, mas também em logística", ressaltou.

Artur Lemos (ao lado de Sartori) defendeu potencial gaúcho no setor
Artur Lemos (ao lado de Sartori) defendeu potencial gaúcho no setor - Foto: Alex Rocha/Palácio Piratini

Geração de energia

A nova instalação vai possibilitar que mais de 100 mil toneladas de CO2 (gás natural do efeito estufa) deixem de circular na atmosfera a cada ano. A capacidade total de energia do complexo é de 204.546 megawatt-hora por ano, distribuídos nos três parques. As linhas de transmissão têm 44 quilômetros construídos pela Enerplan, já prevendo a futura expansão do parque.

A subestação denominada de Viamão 3 - da TESB, empresa controlada pela CEEE-GT -, onde os parques se conectam, está integrada ao Sistema Interligado Nacional (SIN)/Região Sul.

Complexo Eólico Pontal vai gerar 204.546 megawatt-hora por ano
Complexo Eólico Pontal vai gerar 204.546 megawatt-hora por ano - Foto: Alex Rocha/Palácio Piratini

Setor em crescimento
De acordo com a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), nos últimos seis anos o investimento feito pelas empresas da cadeia produtiva de energia eólica somam R$ 48 bilhões. Os recursos são calculados em relação aos megawatts instalados.

De 2017 a 2020, estima-se um investimento de cerca de R$ 50 bilhões, considerando o que ainda está previsto para ser instalado. Em 2016, a geração de energia eólica cresceu 55% em relação a 2015, de acordo com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Estiveram presentes o vice-governador José Paulo Cairoli; as secretárias de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria Helena Sartori, e do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini; o secretário do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Márcio Biolchi; os deputados estaduais Lucas Redecker, Edson Brum e Juvir Costela; o prefeito de Viamão, André Pacheco; a presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica, Élbia Silvia Gannoum; o presidente da Fiergs, Gilberto Petry; a diretora presidente do Badesul, Suzana Kakuta; o presidente do BRDE, Odacir Klein; e demais autoridades.

Texto: Cassiane Osório, de Viamão, com informações da Assessoria Enerplan
Edição: Sílvia Lago/Secom

Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia